domingo, 23 de dezembro de 2012

Bebê golfinho nasce por técnica de seleção de sexo em parque dos EUA

Fêmea da espécie nariz-de-garrafa nasceu este mês com 16 kg e 1 metro.Método permite controlar diversidade genética e evitar extinção de animais.

   Um golfinho nasceu este mês no parque americano Discovery Cove, em Orlando, na Flórida, por meio de uma técnica chamada "sperm-sexing", que separa os cromossomos (X e Y) que definem o sexo do bebê e, portanto, é capaz de escolher se ele será macho ou fêmea.
   O animal é uma fêmea da espécie nariz-de-garrafa que chegou ao mundo no início de dezembro, pesando 16 kg e medindo 1 metro de comprimento.
(Correção: O texto havia informado anteriormente que o filhote media 3,5 metros de comprimento. A informação foi dada pela assessoria do parque SeaWorld e corrigida às 15h08)

Bebê golfinho brinca com a mãe em parque da Flórida, sudeste dos EUA (Foto: Discovery Cove/Divulgação)

   Segundo cientistas do Centro de Pesquisa Reprodutiva dos parques Busch Gardens e SeaWorld – ao qual pertence o Discovery Cove –, o método permite controlar a diversidade genética e evitar a extinção de várias espécies marinhas.
   O novo filhote é o 15º do mundo concebido por esse processo de pré-seleção de sexo e inseminação artificial. Entre os golfinhos nativos do Discovery Cove, inaugurado em 2000, ele é o 25º a nascer.
   No parque, os visitantes também podem nadar com os animais, praticar snorkel com arraias e peixes tropicais, e alimentar pássaros exóticos.

FONTE:G1

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Crânios deformados são achados em cemitério de mil anos no México


Sítio arqueológico fica no norte do país, segundo instituto.Cientista diz que deformação intencional pode ter matado indígenas.

Crânio deformado de uma das ossadas. (Foto: INAH/Divulgação)
  Um cemitério de cerca de mil anos de idade foi encontrado perto do povoado de Onavas, no norte do México, segundo informações do Instituto Nacional de Antropologia e História do país divulgadas na última semana. Ali estavam enterradas 25 pessoas, 13 delas com deformações cranianas.
  Cinco dos corpos também tinham mutilações dentárias. Este tipo de intervenção nunca tinha sido encontrada nessa região mexicana. Apenas um dos esqueletos recuperados era de mulher.
  Os arqueólogos responsáveis pelo achado destacaram que o sítio tem características únicas por misturar elementos de diferentes culturas do norte do país. Cristina Garcia, da Universidade Estadual do Arizona, nos EUA, responsável pela exploração do sítio, explicou que a deformação de crânios era uma prática dos povos mesoamericanos para diferenciar determinados grupos de pessoas na sociedade.
  Dos 25 corpos analisados, 17 eram de menores de idade – entre 5 meses e 16 anos. Oito são de adultos. Cristina Garcia afirmou que o fato de haver crianças pode ser um sinal de que elas morreram justamente por causa da prática de deformação craniana, que teria apertado demais sua cabeça. Esta dedução poderia ser feita, segundo a pesquisadora, porque a análise feita pelos arqueólogos não encontrou outro motivo, como alguma doença, para que tivessem morrido.
Ao todo, foram encontrados 25 esqueletos. (Foto: INAH/Divulgação)

FONTE: G1

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Cientistas reprogramam células de urina para gerar neurônios

   Cientistas chineses afirmam ter conseguido reprogramar células de urina humana em células cerebrais (progenitoras neurais), em uma pesquisa que pode contribuir para futuros avanços no tratamento de males degenerativos como Alzheimer e Parkinson.    A pesquisa, publicada na mais recente edição do periódico Nature Methods, afirma que células de urina foram isoladas de três doadores, de 37, 10 e 22 anos, e reprogramadas para gerar células progenitoras neurais (NPCs), que são precursoras das células cerebrais. Estas NPCs, por sua vez, foram capazes de se subdividir e "gerar com eficiência neurônios funcionais" distintos in vitro.

Imagem mostra células cerebrais provenientes de células da urina humana

   Os mesmos cientistas haviam identificado no ano passado que a urina humana contém células do rim "que podem ser reprogramadas em células-tronco pluripotentes induzidas (iPSCs)". Agora, dizem ter avançado neste método. 
   "Ainda faltam análises, mas reportamos que as células sobrevivem e se dividem quando transplantadas ao cérebro de um rato recém-nascido", diz o estudo, liderado por Duanquing Pei, da Academia Chinesa de Ciências. Células progenitoras neurais são potenciais fontes de neurônios para pesquisa, com a vantagem de se dividirem e, por conta disso, poderem ser "expandidas" em laboratório antes que sejam divididas em neurônios. 

Pesquisa e teste de medicamentos 
   "Há um grande interesse em gerar progenitoras neurais de indivíduos com doenças degenerativas", diz comunicado da Nature Methods. "E como as células a serem reprogramadas são derivadas de (processos) não-invasivos, da urina de doadores, os autores da pesquisa propõem que o procedimento deve ser praticável para gerar progenitoras neurais específicas para determinadas doenças", acrescenta a publicação.
   "Neurônios derivados dessas células podem ser úteis para pesquisas em males neurodegenerativos e para o teste de novos medicamentos", conclui o comunicado. A pesquisa de Duanquing Pei lembra que ainda não há medicamentos eficientes para combater diversas doenças neurológicas. Há importantes avanços no campo de células-tronco, mas o método é alvo de questionamentos por alas mais conservadoras porque as células são obtidas de embriões humanos. Além disso, existe o risco de rejeição do sistema imunológico. A vantagem da pesquisa chinesa é evitar esses dilemas.
   Além disso, reportagem da revista Nature aponta que o estudo pode ajudar pesquisadores a produzir mais rapidamente células específicas para cada paciente, em número maior. "Progenitoras neurais proliferam em cultura, então os pesquisadores podem produzir diversas células para seus experimentos", diz a reportagem. Um geneticista consultado pela revista afirma que outra vantagem de obter células dessa forma é que a urina pode ser coletada de quase qualquer paciente.

    quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

    A Arte da Arborsculpture


    Você tem um polegar verde? Então talvez arborsculpture seja para você. Pode não ser uma palavra que seja familiar - ele ainda não aparece em nenhum dicionário, mas é uma combinação de arte e jardinagem que está crescendo rapidamente em popularidade .

    Arborsculpture é a arte de crescer e moldar os ramos de árvores e plantas lenhosas (outros), em que as formas não pretendidos na natureza, ou mesmo no jardim. Uma combinação de poda, enxertia e flexão, que é usada para fazer as plantas vivas em que algo útil ou ornamental. Os resultados podem ser bastante impressionante.


    Você poderia até mesmo acabar com mobiliário de estar, se você deu o tempo! Arborsculpture é para a tenaz e paciente. É preciso uma quantidade significativa de tempo para ver os frutos do seu trabalho e não pode haver uma garantia de cem por cento que o trabalho final será como pretendido - a natureza, às vezes, tem seu caminho apesar de nós !


    Plantas têm a capacidade de ser unidas através de enxertia e arborsculpture depende muito isto. plantas lenhosas são também capazes (com alguma persuasão) para reter uma forma de terem sido forçadas a assumir quando cultivadas novas camadas de madeira sobre a casca macio original.


    Uma parte da árvore é deliberadamente ferido pela remoção da casca.É então juntou-se a uma árvore semelhante feridas e as duas partes unidas. Sempre que o contacto entre as duas plantas é mantida de forma segura que cresçam em conjunto. Isto pode significar uma 'preparação' por um ano ou mais. Como com dentes, isto é feito para ultrapassar a resistência natural da madeira a crescer, onde ele vai.


    No entanto, quando as novas camadas de madeira crescer atua como um tipo de gesso natural e mantém a planta em forma de para o qual foi dobrado. Uma vez que a madeira nova tem crescido a cinta pode, então, ser removido.


    Poda também podem ser necessários. Isto ajuda a redirecionar o crescimento do caule. Se uma planta é podada acima de uma folha apontando para a direita, em seguida, um novo crescimento será produzido que aponta para a direita. Em exatamente da mesma forma um corte acima de uma folha crescente deixaram irá incentivar o crescimento nessa direção.


    Para crescer uma arborsculpture vai depender de uma variedade de coisas. Em primeiro lugar o tamanho da árvore que está destinado a ser esculpida devem ser tomados em conta como a que a sua taxa de crescimento. Algo relativamente simples pode ser feito em cerca de uma hora e o molde pode ser removido em um ano. Outros projetos maiores podem demorar até uma década do início ao fim. Pode-se argumentar que o projeto de arte nunca está acabado como enquanto a árvore está viva vai continuar a crescer! Você pode até mesmo acabar com a, casa de vida nova, se você fizer as coisas corretamente!


    Com uma grande dose de paciência e trabalho duro, não apenas os padrões ornamentais podem ser produzidos. mesmo "Diário itens podem ser formados a partir de árvores pela manipulação, dobra e fusão de seus tecidos. Enquanto muitos podem preferir deixar a natureza para seus próprios dispositivos , arborsculpture permite que aqueles com o tempo, inclinação e energia para expressar-se através de uma vida algo de uma forma que as demandas mínimo, de ser descrito como atraente!


    quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

    Hiperêmese gravídica causa náuseas e vômitos e pode levar à desidratação, dizem médicos.

    Complicação na gravidez de Kate afeta uma a cada 200 gestantes

       Um dia após anunciar estar grávida de cerca de três meses, a duquesa de Cambridge Kate Middleton foi internada em um hospital de Londres com intensos enjoos matinais. Ela sofre de uma doença chamada hiperêmese gravídica, caracterizada por forte desconforto, náuseas e vômitos, e que afeta uma em cada 200 gestantes.
       A londrina Ebru Macavoy, de 29 anos, passou pelo mesmo problema, cujo principal risco é a desidratação, quando deu à luz em 2009.
       "Foi traumático, debilitante, horrível. Eu estava constantemente nervosa e vomitava 30 vezes por dia. Me sinto triste por Kate, por ela ter que passar por isso, sinto muito por ela", diz.
       Na época, Ebru era uma jovem advogada, casada há apenas alguns meses e logo no início da sua primeira gestação. Ela se lembra de já acordar exausta e diz ter emagrecido quase quatro tamanhos de manequim. Hoje em dia, a britânica é voluntária para ajudar outras mulheres com esse problema.

    Kate Middleton espera o primeiro filho do príncipe
    William; bebê será 3º na sucessão (Foto: Reuters)

       "Na hora em que abria os olhos, já sentia náuseas. Se me mexesse na cama, vomitava. Cada vez que me movia, me sentia enjoada. Não podia dirigir ou caminhar, todas as tarefas mais simples se tornavam impossíveis", conta.
       Ebru revela ter sido internada mais de 20 vezes durante a gravidez, mas finalmente o problema foi aliviado com medicamentos que limitaram os vômitos a cerca de cinco por dia.

    Tratamento e riscos
       Em entrevista à BBC, o médico Tim Draycott, porta-voz do Conselho Real de Obstetras e Ginecologistas da Grã-Bretanha, disse que os remédios podem reduzir o desconforto.
       "Com o tratamento – fluidos intravenosos e medicação para controlar os vômitos e as náuseas –, a condição é razoavelmente benigna, embora horrível de enfrentar. O risco maior é não tratar", explica.
       Draycott afirma que o problema está ligado à variação nos níveis de hormônios da gravidez, e que a condição tende a melhorar por volta de 13 semanas, quando essas taxas caem.
       "Não temos certeza sobre os motivos que fazem algumas mulheres terem o problema e outras não, mas é relativamente mais comum em mães que esperam gêmeos".
       Acredita-se que o problema seja genético, o que significa que Kate deve apresentar os mesmos sintomas em futuras gestações.
       Rosie Dodds, da Fundação Nacional de Partos, diz que evitar cheiros que podem desencadear enjoos, como fumaça e comidas gordurosas, pode ajudar.
       "Há poucas provas, mas o uso de gengibre, vitamina B6 e 'acupressão' (mistura de acupuntura com pressão) foram eficientes para algumas mulheres, embora seja melhor checar com seu médico ou parteira primeiro. Comer comidas secas, como torradas, não deve fazer mal também", avalia.
       "Desejamos muita sorte a William e Catherine com a gravidez, e esperamos que a duquesa se recupere logo", acrescenta Rosie.

    Anúncio
       Kate apareceu em público pela última vez na sexta-feira passada, quando visitou a escola St. Andrew, em Berkshire, onde estudou na infância.
       De acordo com o porta-voz, Kate foi internada por estar sofrendo de hiperêmese gravídica. É bastante improvável que a complicação cause riscos ao bebê. No entanto, como ela provoca perda de peso, pode ser que a criança nasça abaixo do peso ideal.
       Um porta-voz disse que o casal soube da gravidez "recentemente". Acredita-se que o fato de Kate ter sido internada apressou o anúncio oficial.

    FONTE: G1

    segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

    Cientistas fazem primeira imagem direta de uma dupla hélice de DNA

    Equipe liderada por italiano usou microscópio de elétrons.Estrutura era conhecida há seis décadas, mas não havia imagem dela.

       Cientistas conseguiram, pela primeira vez, fazer uma imagem direta de uma dupla hélice de DNA, onde estão codificadas as informações genéticas dos seres vivos, segundo noticia o site da revista britânica “New Scientist”. A imagem vai permitir que se estude melhor a forma como proteínas, RNA e outras biomoléculas interagem com o DNA, informa a publicação.
       A dupla hélice foi detectada pela primeira vez pela dupla James Watson e Francis Crick, na década de 1950, mas, na época, eles usaram uma técnica chamada cristalografia de raios-X. Esta consiste em formar uma imagem a partir de raios-X lançados sobre a molécula e por ela desviados. O entendimento dessa figura depende de complexos cálculos matemáticos.
       Desta vez, a equipe liderada pelo pesquisador Enzo di Fabrizio, da Universidade de gênova, na Itália, conseguiu fazer uma imagem direta do DNA, em que a dupla hélice (o emaranhado em forma de espiral do material genético) é mais claramente visível. O resultado foi obtido usando um microscópio de elétrons. O trabalho dos italianos foi publicado na revista “Nanoletters”.

    Imagem mostra, em destaque, os 'dentes' formados pela espiral de DNA (Foto: Enzo di Fabrizio et al/Nanoletters)
    FONTE: G1

    sábado, 1 de dezembro de 2012

    Estudo genético mostra que houve evolução humana recente

    Análise do genoma de mais de 5 mil pessoas identificou a intensa ocorrência de mutações no DNA humano nos últimos 5 mil anos


      Quase três quartos das mutações nas partes do DNA humano encarregadas de codificar as proteína ocorreram entre 5 a 10 mil anos, algo considerado muito recente na escala da evolução humana. Pesquisadores dos Estados Unidos analisaram dados genéticos de 6.515 pessoas com ascendência euro-americana ou afro-americana, dataram a ocorrência de mais de um milhão de mutações e concluíram que eventos “recentes” tiveram forte impacto na evolução humana.
      Os pesquisadores acreditam que a intensificação de variação genética está relacionada com o aumento da população na Terra. “As recentes mutação que encontramos em nosso estudo têm ligação direta com no crescimento dramático da população mundial nas últimas 400 gerações. Com mais indivíduos, há mais oportunidade destas mutações ocorrerem”, disse ao iG Joshua Akey, autor do estudo publicado no periódico científico Nature e pesquisador da Universidade de Washington em Seattle. 
      Atualmente a Terra abriga 7 bilhões de pessoas , de acordo com as Organizações das Nações Unidas. Este número, mais que dobrou em relação a 1950 quando a população era de 3 milhões. De acordo com previsões, em 2050 serão 9 bilhões de pessoas habitando o mundo. Nunca o crescimento populacional foi tão grande e ocorreram mudanças tão rápidas em relação à questões como alimentação, e exposição a patógenos, afirmam os pesquisadores. 

    Diferença entre as populações 

      Com o estudo, também foi possível descobrir que as mutações genéticas recentes aparentam ter impactos diferentes conforme cada população. Os pesquisadores observaram que entre os descendentes de europeus a taxa de mutação potencialmente causadora de doenças é maior. De acordo com o estudo, 86% das variações genéticas ou mutações observadas potencialmente prejudiciais.
      “Nosso dados sugerem que estas mutações provavelmente trouxeram uma contribuição importante para o surgimento de novas doenças, suscetibilidade a novas enfermidades e efeitos colaterais a medicamentos”, disse.
      Os pesquisadores querem agora que o estudo sirva de fonte para o estudo sobre o mapeamento de doenças futuras “Conseguimos mostrar quão profunda e efetiva foi avariação de padrões genéticos nas populações contemporâneas, mas fazer previsões é algo mais difícil”, disse Akey.
    Maria Fernanda Ziegler (iG São Paulo) | 28/11/2012 17:38:19 - Atualizada às 28/11/2012 18:20:41



    FONTE: IG

    Dilma veta trecho da lei dos royalties do petróleo que altera contratos vigentes


    Presidenta também encaminhará medida provisória ao Congresso com mudanças na lei, na qual tentará resgatar repasse de 100% dos royalties futuros para a educação


     A presidenta Dilma Rousseff vetou nesta sexta-feira o artigo da nova lei dos royalties do petróleo que alterava a divisão das receitas provenientes dos campos atualmente em exploração. Além de alterar este item do projeto, Dilma anunciou que encaminhará uma medida provisória ao Congresso para resgatar o repasse de 100% dos royalties futuros para a educação, numa tentativa de reverter a derrota sofrida pelo governo na votação da proposta no Legislativo. 
      A decisão sobre a manutenção dos contratos vigentes já era esperada desde o meio desta semana e ocorre após a presidenta se posicionar em favor do uso "responsável" dos royalties. A decisão também atende às pressões conduzidas nas últimas semanas por Estados produtores, em especial Rio de Janeiro e Espírito Santo. 
      Com o veto de Dilma, continuará valendo, nas áreas em que já há concessão, a regra atual para a exploração do petróleo. A mudança na distribuição dos recursos valerá somente para contratos futuros, o que inclui campos de exploração como o pré-sal. 
      Dilma convocou ministros para uma reunião no Palácio do Planalto e incumbiu a equipe de formalizar o anúncio do veto. Foram chamados os ministros da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; de Minas e Energia, Edison Lobão; das Relações Institucionais, Ideli Salvatti; e da Educação, Aloizio Mercadante.
      Gleisi esclareceu que o governo procurou resguardar integralmente a distribuição dos recursos aprovada pelo Congresso, embora tenha optado por alterar as regras para sua aplicação. “O veto colocado ao artigo terceiro resguarda exatamente os contratos estabelecidos e também tem o objetivo de fazer a readequação, ou seja, a redistribuição dos percentuais dos royalties”, disse Gleisi. “A presidenta procurou conservar em sua maioria as deliberações do Congresso Nacional, garantindo contudo a distribuição de recursos para a educação brasileira.”
      O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, acrescentou que Dilma procurou preservar o "patrimônio brasileiro", sem que isso signifique uma afronta ao Congresso Nacional. "Não há nenhum desapreço ao Congresso Nacional com esse veto." Segundo ele, a decisão da presidenta procurou evitar que a lei não interfira no "direito adquirido". "O que o governo agora faz é em complemento àquilo que nos veio do Poder Legislativo. A nosso ver, há uma inconstitucionalidade de alguns artigos, em especial o artigo terceiro ( que altera a regra para contratos em concessão )", emendou Lobão. 
      Como o veto à lei foi parcial, o governo poderá poderá fazer leilões por esse modelo já em 2013. Segundo o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o primeiro leilão de partilha será feito em novembro do próximo ano.

    Educação

      A proposta do governo federal de destinar a aplicação de royalties futuros na educação já havia sido derrubada no Congresso durante a tramitação do projeto. Mercadante comemorou a insistência do Planalto em levar o assunto a apreciação no Legislativo. De acordo com o ministro, 50% de todo o rendimento do Fundo Social, que receberá parte dos royalties, também será destinado para educação.
    "Só a educação vai fazer com que o Brasil seja uma nação efetivamente desenvolvida. Se o petróleo e o pré-sal são o passaporte para a educação, não há futuro melhor do que investir na educação", disse o ministro. 
    *Com informações da Agência Estado


    FONTE: IG

    sexta-feira, 23 de novembro de 2012

    Sexo bizarro no mundo animal

    Girafas: xixi afrodisíaco - Com aquele fabuloso, mas desengonçado pescoço, a cópula da girafa reserva um trabalho difícil para o macho. Pronto para se reproduzir, o macho cutuca a anca da fêmea para induzir a micção. Quando a urina é expelida ele bebe um pouco dela, e se o gosto é bom, esse é o sinal verde. Ele, então começa a cortejá-la!


    Lagartos do gênero Cnemidophorus: o clone – Neste gênero de lagartos, não existem machos. Isso mesmo! Todos os lagartos (Lizard Whiptail, em inglês) são meninas e por isso elas nunca copulam. Mas como se reproduzem? Bem, a reprodução é precedida de uma “pseudocópula” onde uma fêmea simula um papel de macho cobrindo a outra com o corpo, que trocam de papel mais tarde. Mas não acontece a cópula de fato, esse comportamento estranho é necessário para estimular a produção de ovos nas duas fêmeas. Quando os ovos estão prontos, eles serão “clones” do lagarto mãe!


    Hienas: fêmeas “bem dotadas” – As hienas fêmeas pintadas são o “homem da casa”. Elas são maiores, mais fortes e mais agressivas que o macho. Além disso, elas possuem um “pseudopênis” que na verdade é como uma modificação de uma estrutura que pode ficar ereta quando necessário. Para copular, o macho sortudo precisa inserir o pênis na abertura no pseudopênis. Acredito que seja um tanto constrangedor para o macho, porém não deve ser pior do que a fêmea precisar dar à luz aos filhotes através de um pseudopênis!


    Gorila: tamanho não é tudo – Um gorila adulto macho Silverbacks (costas de prata) são animais enormes, que podem chegar a 350 kg. Ele pode manter um grupo com até 30 fêmeas, com o qual ele acasala durante todo ano. Existe uma pequena competição entre as fêmeas, mas sem muito sentido, pois o pênis do macho mede apenas cerca de 4 cm, o que é muito pouco para um animal de 350 kg.


    Ursos Panda: filmes pornôs – Pandas criados em cativeiro possuem um apetite sexual muito fraco, os casais raramente se interessam sexualmente. Para driblar esse desânimo, um zoológico chinês mostra vídeos pornôs aos pandas e eles logo ficam animadinhos. Agora, nesse zoológico, quando o panda atinge a idade de reprodução assiste vários filminhos de sexo como parte da sua iniciação sexual!


    quinta-feira, 22 de novembro de 2012

    Pesquisadores registram 39 espécies de aves-do-paraíso na Oceania

    Pássaros de diferentes tamanhos foram vistos em Papua-Nova Guiné.Fotógrafo e ornitólogo coletaram material em expedições feitas em 8 anos.

    Durante oito anos, o estudioso de aves (ornitólogo) Ed Scholes e o fotógrafo Tim Laman realizaram 18 expedições para florestas remotas da Papua-Nova Guiné, pequena ilha da Oceania, onde conseguiram documentar 39 espécies de aves-do-paraíso que vivem na região

    Exemplar da espécie ave-do-paraíso de Alberto
    (Pteridophora alberti) encontrado na Papua-Nova
    Guiné (Foto: Tim Laman, National Geographic/AP)
    .Coloridas e com diversos tamanhos (podem medir entre 15 centímetros e 1,20 metro), esse gênero de aves habita zonas de floresta tropical e manguezais. Atualmente, já foram descobertas mais de 40 espécies diferentes.

    Exemplar da espécie ave-azul-do-paraíso (Paradisaea rudolphi) (Foto: Tim Laman, National Geographic/AP)
    Os pesquisadores conseguiram estudar os pássaros de diversas formas: gravando áudios dos diferentes sons cantos e registrando imagens do cotidiano das aves na vida selvagem.
    Existem espécies desse gênero que já são consideradas ameaçadas de extinção, segundo a lista vermelha da União Internacional pela Conservação dos Animais (IUCN, na sigla em inglês).

    Exemplar da espécie ave-do-paraíso de Wilson (Cicinnurus respublica) (Foto: Tim Laman, National Geographic/AP)
    FONTE: G1

    Estudo mostra que fetos bocejam dentro do útero da mãe

    Ato não indica que o bebê em formação esteja com sono, diz autora.
    Descoberta pode dar origem a novos exames de saúde do feto.

       Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (21) pela revista científica “PLoS One” revela que os fetos têm o hábito de bocejar. Estudos anteriores já mostravam outras práticas curiosas dos bebês dentro do útero, como soluçar, engolir e espreguiçar.

    Imagem mostra claramente o bocejo de um feto (Foto: Reuters/Nadja Reissland/Divulgação)



    A equipe liderada por Nadja Reissland, da Universidade de Durham, na Inglaterra, filmou 15 fetos saudáveis em imagens 4D e analisou todas as vezes em que eles abriram a boca. Segundo os pesquisadores, foi possível distinguir claramente os bocejos de outras aberturas pela quantidade de tempo em que o bebê ficava com a boca aberta.

    Embora a função do bocejo nos fetos ainda não esteja clara, os cientistas acreditam que haja alguma ligação com o desenvolvimento do bebê, já que ele boceja menos nos últimos três meses de gravidez. Isso poderia gerar, inclusive, uma nova maneira de examinar a saúde do feto.

    “Ao contrário de nós, os fetos não bocejam contagiosamente, nem bocejam porque estão com sono”, afirmou Reissland. “Em vez disso, a frequência dos bocejos no útero pode estar ligada ao estágio da formação do cérebro no início da gestação”, completou.

    FONTE: G1

    quarta-feira, 21 de novembro de 2012

    O que é terçol (bonitinho dos olhos) e como ele se desenvolve?

       O terçol é uma infecção nas glândulas meibomianas, as responsáveis por produzir uma substância sebácea que cria uma camada de óleo na superfície do filme lacrimal, isto ajuda a prevenir a evaporação rápida da camada normal de lágrima.
       Essa infecção não surge de uma hora para outra. Ela é causada por bactérias (estafilococos ou estreptococos) ou então apenas por obstrução dessas glândulas. Quando uma bactéria invade essas glândulas, nosso corpo responde enviando células de defesa para derrotá-las. Dessa batalha resta o pus, que enche todo o espaço da glândula formando aquela bolinha vermelha e dolorida na pálpebra. Outra coisa que pode acontecer é o excesso de sebo entupir a glândula. Aí não há infecção, mas uma inflamação que também dá origem a um pequeno cisto que chamamos de calázio.
       Jamais, fure ou esprema o terçol, sua eliminação é uma ação natural do organismo, e aquele terçol inicial acaba se tornando um ponto amarelo de pus e drena-se sozinho após dois ou três dias, seja qual for a forma como ele se desenvolveu, dispensando atendimento médico. O ideal é usar compressas quentes que atrairá mais sangue para aquela região curando mais rapidamente o inchaço. Caso não regrida, aí sim, é bom procurar ajuda médica.

    O terçol é uma inflação de uma glândula do olho, provocada por bactérias ou por simples obstrução da glândula

    sábado, 17 de novembro de 2012

    Lista reúne 'rabanete humano' e outros vegetais em formatos curiosos

    No Japão, agricultor colheu rabanete com formato humano.Na Alemanha, homem colheu cenoura que se parece com porco.

       Recentemente, um rabanete que lembra o formato humano virou hit na web. O tubérculo foi colhido por um fazendeiro japonês em sua horta. Por causa de suas ramificações, a raiz ganhou o apelido de "rabanete humano".
    Veja abaixo alguns vegetais com formato curioso

    Aproveitando a situação, o homem começou a postar em seu perfil no Twitter uma sequência de fotos mostrando as 'aventuras' do rabanete, que mostram ele caminhando pela horta, dando uma volta no shopping levando o cachorro para passear, entre outros. (Foto: Reprodução)

    Em 2010, a raiz de uma planta Fo-ti cresceu com um formato bastante diferenciado na cidade de Youxian, no sudoeste da China. A população local batizou a raiz de Homer Simpson, mas há quem diga que a figura lembra mais Beto, da Vila Sésamo. (Foto: Reprodução)

    Em 2011, o casal Gerry e Kate Stockton colheu duas cenouras em formatos inusitados em Stockport, no Reino Unido. Os dois vegetais lembram as formas de um homem e uma mulher. O ‘legume macho’ conta, inclusive, com uma haste como se fosse um pênis. Já a outra cenoura apresenta duas ‘pernas’ cruzadas. (Foto: Worldwide Features/Barcroft Media/Getty Images)

    Em 2010, o britânico Stuart Boulton encontrou uma cenoura em formato de pé, com cinco dedos, na plantação que tem em casa, na cidade de Darlington, na Inglaterra. (Foto: Reprodução)

    Em 2011, o alemão Stephan Wolff colheu uma cenoura que se parece com a forma de um porco em sua propriedade em Emmerich, na Alemanha,. (Foto: Reprodução)

    Em 2010, o britânico Clive Williams, que mora em Henley-on-Thames, Oxon, no Reino Unido, colheu uma cenoura que se parece com o astronauta ‘Buzz Lightyear’, personagem da animação ‘Toy Story’. (Foto: Reprodução)

    Em 2011, a norte-americana Eva Carbonaro, que mora em Yarmouthport, no estado de Massachusetts (EUA), decidiu não comer uma ostra, porque a iguaria se assemelharia a um rosto humano. (Foto: Reprodução)

    FONTE: PLANETA BIZARRO / G1

    sexta-feira, 16 de novembro de 2012

    Pinguins gays 'adotam' filhote em zoológico na Dinamarca

    Pinguins-imperadores machos começaram a agir como casal há dois anos.Zoo cogitou 'adoção' após os dois tentarem roubar ovos de outros pinguins.

       Um casal de pinguins gays "adotou" um filhote recentemente no Zoológico Odense, na Dinamarca, segundo uma nota divulgada pela instituição. Os animais, dois pinguins-imperadores machos, começaram a demonstrar comportamento de casal há dois anos, o que não é novidade na espécie, de acordo com o zoo.
       Os tratadores dos pinguins perceberam que os dois machos tentaram roubar ovos de outros animais durante a época de reprodução. Isso levou os funcionários a cogitar a "adoção" para o casal.

    Casal de pinguins-imperadores gays com filhote 'adotado' em zoológico na Dinamarca 
    (Foto: Divulgação/Ard Joungsma/Zoológico Odense)

       É comum que algumas espécies de pinguins tenham comportamento monogâmico, isto é, um parceiro durante toda a vida, diz o zoo. No caso da espécie dos pinguins-imperadores, o casal divide a tarefa de chocar os ovos.
      O problema de "paternidade" do casal de machos do Zoológico Odense foi resolvido após uma fêmea da espécie agir de forma incomum, tendo botado dois ovos produzidos com dois machos diferentes, para depois abandoná-los, segundo a nota.
      Os tratadores decidiram deixar um dos ovos abandonados com o casal de pinguins machos. Para garantir que eles aprenderiam a chocar, foram usados ovos artificiais, em testes realizados pelo zoo.
      Os dois pinguins-imperadores machos cuidaram do ovo e se dividiram para recolher comida, como faria qualquer casal da mesma espécie.
      O filhote "adotado" nasceu há um mês. A "família" está separada do resto da colônia para adaptação do filhote, por enquanto, informa o zoo. Em breve eles devem ser reintroduzidos ao grupo de pinguins-imperadores, quando o bebê tiver adquirido mais algum tempo de vida.

    Casal de pinguins-imperadores machos em zoológico dinamarquês cuidam de filhote nascido há um mês
     (Foto: Divulgação/Ard Joungsma/Zoológico Odense)

    FONTE: G1

    Cientistas criam músculo artificial de carbono e cera

        Um "músculo artificial", feito de nanotubos de carbono revestidos com cera, 85 vezes mais forte que um músculo humano, é a última novidade no ramo da nanotecnologia, apresentada hoje na revista Science. O material, com capacidade para erguer até 100 mil vezes o seu próprio peso, foi desenvolvido na Universidade do Texas em Dallas (EUA), em parceria com pesquisadores brasileiros, australianos, canadenses, chineses e sul-coreanos.   A invenção, apesar do nome, não se parece com um bíceps humano. O termo "músculo artificial" se refere à capacidade do material de mudar de forma quando estimulado e produzir força por meio da contração de filamentos - semelhante ao que ocorre num músculo humano, quando as fibras do bíceps se contraem para mover o braço, estimuladas pelos nervos.
       O material desenvolvido em Dallas é essencialmente uma fibra retorcida de nanotubos de carbono revestidos com parafina. As inovações estão na estrutura helicoidal da fibra, que lhe permite aplicar forças lineares e rotacionais a um objeto quando contraída, e no fato de que essa contração pode ser induzida simplesmente por um estímulo térmico, produzido por uma corrente elétrica ou luminosa.
       Vários vídeos demonstrativos, divulgados com o trabalho na Science, mostram o "músculo" sendo contraído para erguer objetos, movimentar hélices e até para acionar uma pequena catapulta. Imagine algo como um fio de lã (só que muito mais fino e forte) pendurado ao teto com um peso na ponta. Quando o fio é aquecido por meio de uma lâmpada incandescente ou de uma corrente elétrica, o calor faz instantaneamente com que ele se torça e diminua de comprimento, levantando o peso. E assim que a luz ou a eletricidade é desligada, ele "relaxa" de novo, podendo repetir o processo milhões de vezes sem sofrer danos.
        "Combinamos as propriedades térmicas da cera com as propriedades mecânicas dos nanotubos de carbono", explica o engenheiro brasileiro Márcio Dias Lima, que faz pós-doutorado no Instituto de Nanotecnologia da universidade texana e é um dos autores principais do trabalho.
        Propriedades. A vantagem dos nanotubos é que eles são extremamente leves, fortes e resistentes - proporcionalmente, cem vezes mais fortes que o aço. A vantagem da cera é a sua capacidade de expansão térmica - o movimento do "músculo" ocorre porque a cera expande quando aquecida e retorna ao seu formato original quando resfriada, causando contração e relaxamento da fibra.

    Nanotubos de carbono formam fibra resistente chamada de 'músculo artificial' (Foto: Science/Divulgação)

        Modelos anteriores de músculos artificiais precisavam estar imersos em algum tipo de solução eletroquímica para serem estimulados, o que limitava seriamente seu leque de aplicabilidades. "A gente até brincava que os robôs do futuro teriam de beber para conseguir andar", diz o pesquisador Douglas Galvão, do Departamento de Física Aplicada da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Ele foi um dos responsáveis pelo trabalho de modelagem da pesquisa, em parceria com seu aluno Leonardo Machado e o professor Alexandre Fonseca, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Bauru.
       O material ainda pode ser melhorado, mas já é comercialmente viável e funcional para aplicações em pequena escala, que não necessitam de grandes quantidades de fibra - já que um dos principais desafios do setor ainda é produzir nanotubos de carbono em escala industrial.
       A lista de possíveis aplicações tecnológicas permeia diversas áreas, como a biomedicina, a robótica, o setor têxtil, energético, automotivo e aeroespacial. As fibras, por exemplo, poderiam ser substitutos leves e resistentes para uma série de sistemas mecânicos, rígidos e pesados, usados como "atuadores" em veículos, aeronaves e robôs. Ou como base para tecidos e membranas inteligentes, capazes de se adaptar automaticamente a mudanças nas condições do ambiente.
       Há muito interesse também em aplicações militares, tanto que os dois principais financiadores da pesquisa nos EUA foram a Força Aérea e a Marinha.
       Uma possibilidade tentadora, inspirada no nome do produto, seria desenvolver enxertos capazes de recuperar - ou até substituir - músculos humanos de verdade, para aplicações ortopédicas em vítimas de trauma ou doença. Lima, porém, diz que isso não é possível por enquanto.
      "O problema é que você precisa aquecer a fibra a temperaturas acima do tolerável pelo organismo", diz. "Para uso em próteses robóticas, porém, é algo totalmente viável."
       O próximo desafio da equipe, segundo ele, é justamente desenvolver uma fibra que não precise ser aquecida para funcionar - estimulada por vias químicas, por exemplo - e com uma resistência mecânica ainda maior.
       A brasileira Mônica de Andrade também assina o trabalho pelo Instituto de Nanotecnologia da Universidade do Texas.

    FONTE: ESTADÃO-MSN

    quinta-feira, 15 de novembro de 2012

    Barulho de trânsito faz gafanhotos 'cantarem' mais alto, diz estudo

    Pesquisa alemã comparou volume de insetos de ambientes diversos.Ruído exagerado dos humanos pode prejudicar reprodução dos animais.

       Conhecidos por seu "canto", os gafanhotos ajustam o volume da melodia diante do barulho do trânsito, revela um estudo publicado nesta terça-feira (13) pela revista "Functional Ecology", da Sociedade Britânica de Ecologia.
       Estudos anteriores já haviam identificado o impacto de um ambiente ruidoso nos sons emitidos por pássaros, baleias e até rãs, mas esta é a primeira vez que o fenômeno é observado entre insetos, destaca a Sociedade Britânica de Ecologia.

    Gafanhotos usados na pesquisa viviam perto de vias barulhentas (Foto: Ulrike Lampe/Universidade de Bielefeld)
       Uma equipe de biólogos da Universidade de Bielefeld (Alemanha), dirigida por Ulrike Lampe, capturou 188 espécimes do machos de gafanhotos Chorthippus biguttulus, que têm um canto metálico característico. Metade foi capturada em locais tranquilos e a outra metade em zonas próximas a estradas de muito movimento.
       O "canto" destes gafanhotos, que na realidade produzem o som ao esfregar as patas posteriores nas asas dianteiras, tem a função de atrair as fêmeas.
       Os cientistas analisaram em laboratório as diferenças entre os "cantos" dos dois grupos de gafanhotos, incitados pela presença de fêmeas, e concluíram que os insetos capturados próximos as estradas produzem sons diferentes dos demais.
       "Constatamos que em ambientes ruidosos os gafanhotos aumentam o volume da parte de baixa frequência de seu canto. Algo lógico, já que o ruído do tráfego pode ocultar sinais nesta parte do espectro" sonoro, explicou Lampe.
       Segundo os cientistas, estes resultados são importantes porque evidencia que o ruído do tráfego pode transtornar o sistema de reprodução dos gafanhotos, "impedindo que as fêmeas ouçam corretamente os cantos nupciais dos machos".

    FONTE: G1

    segunda-feira, 12 de novembro de 2012

    Manipular Informação é a Gota D'Água


    Por que o nariz escorre quando choramos?

    Todo mundo já chorou pelo menos uma vez na vida e sabe que a tendência é que ao chorar recebemos de brinde o nariz escorrendo. Por que isso acontece?

    Porque quando choramos produzimos mais acetilcolina, um neurotransmissor que aumenta a quantidade de secreção nasal. Quando rolam as lágrimas, ela é liberada pelo sistema nervoso parassimpático e faz a mucosa nasal, a parede interna do nariz, produzir mais secreção, formada por muco e por um fluido chamado transudato seroso. "O organismo produz, em média, 2 litros desse líquido por dia. Ele deixa o ar que respiramos mais úmido e é reabsorvido sem notarmos", diz Fabio Pinna, otorrinolaringologista do Hospital das Clínicas de São Paulo. A 
    acetilcolina ainda diminui a freqüência cardíaca, dilata as pupilas, aumenta a salivação e o diâmetro dos vasos sanguíneos. Por causa disso, a região do nariz incha, levando a uma resistência à passagem do ar. E, com a secreção, entope mesmo! A consistência da secreção varia, mas é mais líquida que o ranho - espesso porque leva restos de células inflamatórias oriundas de gripes e sinusites.

    Lágrimas e fungadas. Do começo do choro à produção da secreção são apenas alguns segundos

    1. Você passou por uma situação de extrema tristeza. Na mesma hora em que vai batendo aquela emoção incontrolável, seu cérebro envia estímulos para as fibras do sistema nervoso parassimpático espalhadas por várias partes e órgãos do corpo

    2. Quando as terminações nervosas do sistema parassimpático estimulam as glândulas lacrimais, localizadas acima das órbitas oculares, começa a choradeira. As lágrimas descem pela superfície dos olhos e um pouco cai direto pelo duto nasal

    3. Enquanto isso, a acetilcolina do sistema parassimpático provoca o aumento da secreção do nariz, produzida por células e glândulas da mucosa nasal. A maior quantidade de secreção quando se chora não tem nenhuma função específica

    4. Pouco depois, começa o funga-funga e escorre do nariz uma mistura de secreção nasal e lágrimas. Ao parar de chorar, isso diminui por não haver mais lágrimas saindo pelo duto nasal, mas a acetilcolina produzida ainda age no corpo por um tempo

    Pesquisa chinesa faz contagem de espécie ameaçada de boto

    Animal chamado informalmente de 'porco do rio' vive no Yang-tsé.Em 2006, havia apenas 1,8 mil animais da espécie.

        Cientistas chineses começaram neste domingo uma pesquisa para recontar a população de uma espécie de boto que está em extinção. Conhecida informalmente como “porco do rio” em mandarim, essa variação do boto-do-índico vive apenas nas águas do Rio Yang-tsé, o maior do país.
        A contagem mais recente, conduzida em 2006, encontrou apenas 1,8 mil destes animais. Para o estudo recém-iniciado, as estimativas são ainda mais baicas.

    Espécie de boto ameaçada vive no Rio Yang-tsé, na China (Foto: Michel Gunther/WWF/AFP)

    “Nossa expectativa é de que haja talvez apenas mil deles, mas temos que ver qual vai ser o resultado da pesquisa”, afirmou Wang Ding, pesquisador do Instituto de Hidrobiologia da Academia Chinesa de Ciências.    Apesar de não ser um alvo comum de pescadores, a espécie é ameaçada pela presença humana de duas maneiras. Por um lado, alguns botos morrem em colisões acidentais com barcos ou em acidentes de pesca. Por outro, a poluição do rio reduz a oferta de alimentos.
       Segundo estimativas da organização não governamental ambientalista WWF, que também participa do estudo, a espécie pode ser extinta em até 15 anos, caso nenhuma providência seja tomada.

    FONTE: G1

    sábado, 10 de novembro de 2012

    Corais enviam 'aviso químico' para peixes devorarem algas tóxicas

       Cientistas descobriram que uma espécie de coral envia "avisos químicos" para peixes para que eles devorem algas tóxicas, que causam danos a barreiras de corais e podem ameaçar a espécie. A pesquisa, realizada pelo Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos, foi publicada no site da revista "Science" nesta quinta-feira (8).   O crescimento excessivo de certos tipos de algas é um problema para os corais e ocorre devido a várias situações, como a diminuição da população de peixes no mar e as mudanças climáticas, afirmam os cientistas.

    Peixe da espécie 'Gobiodon histrio' se aproxima de alga tóxica em região de corais
     (Foto: Divulgação/Danielle Dixson/'Science')

        Liberando substâncias químicas na água, os corais da espécie Acropora nasuta "recrutam" peixes de duas espécies (Gobiodon histrio e Paragobiodon enchinocephalus) que estejam próximos para que eles devorem as algas. Isso reduz danos que poderiam ocorrer às barreiras de corais, segundo a pesquisa.
        A liberação da substância ocorre quando as algas entram em contato com os corais, aponta o estudo. A "contrapartida" é que os peixes tornam-se mais tóxicos, o que os ajuda a evitar ataques de predadores.
       A relação é considerada mutualística e parecida com a que existe entre formigas e árvores acácias, afirmam os pesquisadores.

    FONTE: G1

    sexta-feira, 2 de novembro de 2012

    Após recordes de calor, frente fria derruba temperaturas pelo país

       A chegada de uma frente fria às regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil já derrubou as temperaturas de algumas cidades brasileiras que vinham registrando recordes de calor até esta quarta-feira (31).
       De acordo com meteorologistas, em determinadas localidades haverá queda de até 10 ºC -- caso de São Paulo -- e chuvas intensas, principalmente na área litorânea que segue do norte de Santa Catarina até o sul da Bahia.
       As chuvas poderão refrescar regiões que enfrentam estiagem há pelo menos quatro meses. Segundo meteorologistas, essa seca pode ter influenciado a elevação recorde das temperaturas na primavera.
       Nesta quarta-feira (31), Belo Horizonte (MG) teve a maior máxima dos últimos cem anos, com termômetros marcando 37,1ºC. No mesmo dia, a cidade de São Paulo registrou 36,6 ºC, recorde em 2012 e o maior registro para a primavera desde 1940, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).
    “A seca que acontece no Brasil desde o inverno influenciou no regime de chuvas, que ameniza as temperaturas. No entanto, na região Sudeste não chove de forma intensa há pelo menos quatro meses. No Nordeste, há relatos de estiagem de dez meses. A não normalização das chuvas impede que a atmosfera fique mais fria e provoca uma elevação gradual da temperatura a cada dia”, explica Celso Oliveira, meteorologista da Somar.
        De acordo com Ludmila Pochmann, meteorologista do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a ocorrência de temperaturas altas é comum na primavera, já que a atmosfera fica mais limpa, livre de nebulosidade. “Por isso há incidência maior de raios solares e aquecimento de uma área que vai desde a superfície terrestre até 15 km de altura, na primeira camada da atmosfera (tropopausa)”, disse.



     
    Excesso de urbanização pode influenciar calor extremo
     

       Segundo Oliveira, é difícil explicar o motivo de temperaturas recordes em períodos longos, como no caso de Belo Horizonte, mas ele levanta a hipótese sobre o impacto do desenvolvimento das cidades e sua influência no calor extremo. “É possível entrar na questão do crescimento das cidades e na formação de um fenômeno chamado de ilhas de calor”, explicou.
       Típicas das grandes cidades e responsáveis pela sensação de abafamento, as ilhas de calor resultam do processo de urbanização e impermeabilização do solo. Materiais como asfalto, concreto armado, cimento e o excesso de prédios dificultam a circulação do ar, o que faz com que o calor fique mais concentrado em determinados pontos.
       Oliveira explica que em São Paulo, por exemplo, já houve a comprovação de diferenças de até 10 ºC entre áreas do centro – recheadas de prédios – e bairros distantes, na periferia, onde há maior movimentação do ar e áreas com vegetação que dispersam o calor. “As ilhas de calor alteram o microclima das cidades. São Paulo, que ficou conhecida por ser a terra da garoa, agora vivencia temporais nos finais de tarde. O aumento da urbanização pode ter influenciado o clima, isso sem contar a poluição concentrada. Uma área densamente povoada pode ter um aumento da poluição”, explica o meteorologista.


    FONTE: G1

    Reunião para criar áreas de proteção na Antártica termina sem acordo

       Um acordo que estava sendo construído entre 250 delegados de 24 países mais a União Europeia, para a criação de grandes áreas de proteção ambiental nos mares da Antártica, terminou sem resultado nesta quinta-feira (1º), segundo informam as agências internacionais.
       Os representantes dos países, que integram a Comissão para a Conservação dos Recursos Marinhos da Antártica (CCAMLR, na sigla em inglês), decidiram que o grupo volta a se reunir na Alemanha somente no próximo ano, em julho de 2013.
       Eles participavam há duas semanas de uma conferência da CCAMLR na Tasmânia, Austrália, para decidir sobre a criação das áreas de proteção ambiental.


                   Pinguins imperadores na Antártica (Foto: Divulgação/U.S. Antarctic Program/National Science Foundation)
     
      Organizações ambientais, como o WWF, demonstraram preocupação com a falta de consenso sobre a criação das reservas.
       Uma das propostas defendidas pelos Estados Unidos, pela Nova Zelândia e por outros países era criar duas áreas de proteção ambiental: uma de cerca de 1,6 milhão de km² e outra de 1,9 milhão de km², em dois pontos nos mares da Antártica.
       Se fossem criadas, as reservas iriam garantir a proteção de animais como baleias e pinguins em uma região equivalente a três vezes o tamanho da França, informa a britânica BBC.
       O fracasso em chegar a um acordo foi creditado principalmente à atuação dos delegados da Rússia, da China e da Ucrânia, de acordo com os ambientalistas. "Estamos desapontados", disse à imprensa internacional o representante da ONG Aliança para o Oceano Antártico, Steve Campbell.



    FONTE: G1

    domingo, 28 de outubro de 2012

    Brasileiro desenvolve vacina experimental mais eficaz contra vírus da aids

         Uma vacina com a combinação de cinco anticorpos, testada em ratos e fruto do trabalho do imunologista brasileiro Michel Nussenzweig, conseguiu manter os níveis do vírus da AIDS(HIV-1) abaixo dos detectáveis durante mais tempo que os tratamentos atuais, informou nesta quarta-feira (24) o periódico Nature.     Este tratamento experimental, composto por cinco potentes anticorpos monoclonais (idênticos entre si porque são produzidos pelo mesmo tipo de célula do sistema imunológico), foi desenvolvido pela equipe do cientista brasileiro e membro da Academia Americana de Ciências na Universidade Rockefeller em Nova York. 
       O cientista administrou os anticorpos em ratos "humanizados", que dispõem de um sistema imunológico idêntico ao humano, permitindo que sejam infectados com o vírus HIV. Estima-se que esta é uma fórmula que poderia evitar a infecção de novas células. 

    Na imagem, vírus HIV atacando células humanas: nova vacina é mais eficaz contra a infecção

        Nussenzweig observou que, desde que foi iniciado o tratamento, a carga viral tinha caído para níveis abaixo dos detectáveis, e assim se mantiveram por até 60 dias após o término do tratamento. 

    Em seguida, o cientista comparou os resultados com os obtidos ao tratar ratos com uma combinação de três anticorpos monoclonais e, também, com um tratamento baseado em um único anticorpo.     Ao tratar os roedores com uma vacina com três anticorpos, o HIV se manteve em níveis baixos até 40 dias após o fim do tratamento, enquanto a monoterapia só permitiu que o vírus não fosse detectado durante o tempo em que o rato estava recebendo o tratamento (cerca de duas semanas). "O experimento demonstrou que combinações distintas de anticorpos monoclonais são eficazes na hora de suprimir a replicação do HIV em ratos 'humanizados', por isso podem prevenir a infecção e servir para o desenvolvimento de novos tratamentos", defendeu o especialista em seu artigo. 
        Na atualidade, o tratamento anti-retroviral em humanos consiste em combinar pelo menos três drogas antivirais para minimizar o surgimento de vírus mutantes resistentes aos remédios. No entanto, o HIV se armazena em uma espécie de "depósito" ou reservatório viral, o que faz com que a carga viral do paciente se eleve quando o tratamento farmacológico é interrompido, e o vírus volta a aparecer depois de 21 dias. 
       Apesar dos resultados promissores de Nussenzweig, ainda serão necessários testes clínicos que permitam avaliar a eficácia do tratamento em humanos e medir os efeitos sobre a infecção em longo prazo.
    FONTE: G1

    sexta-feira, 19 de outubro de 2012

    Estudo aponta indício de que impacto gigante pode ter formado a Lua

       Cientistas da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, e da Universidade de Bristol, no Reino Unido, divulgaram um estudo com evidências que reforçam a ideia de que a Lua pode ter sido formada após o impacto gigante de um corpo celeste contra uma versão primitiva da Terra.   A pesquisa, publicada na edição online da "Nature" desta quarta-feira (17), compara isótopos de zinco encontrados em pedras vulcânicas lunares com a composição do zinco encontrado na Terra e em Marte.

    Concepção artística de uma colisão planetária mostra um impacto semelhante ao que 
    teria ocorrido na Terra e levando à criação da Lua (Foto: Divulgação/Nasa/JPL-Caltech)

       Segundo os cientistas, os isótopos lunares são mais pesados e parecem ter sido formados em um grande processo de vaporização, mais do que em atividade vulcânica ocorrida na Lua. O zinco serve como uma "pista" para a história da formação dos planetas, diz o estudo.   A evaporação estaria ligada à origem do satélite, segundo os pesquisadores. Para eles, o estudo dá "evidências consistentes" que podem confirmar um modelo de formação da Lua pelo impacto de corpo celeste com tamanho parecido ao de Marte contra a Terra.
       Segundo eles, há "fortes indícios" de condensação de zinco em escala planetária na formação da Lua. Isótopos de zinco mais pesados teriam condensado mais rápido do que átomos mais leves do mesmo elemento, e sua presença indicaria que nuvens de vapor de rocha estariam presentes no surgimento do satélite.
       "Uma colisão com muita energia pode ter derretido o corpo causador do impacto, e a maioria do seu material pode ter permanecido na Terra", sugerem os cientistas no estudo. Já materiais de silicato devem ter entrado em órbita e mais tarde foram acrescidos de outras substâncias vaporizadas que originaram a Lua, segundo a pesquisa.

    Mais duas

       Outras duas pesquisas sobre o mesmo assunto foram publicadas na edição online da revista "Science" desta quarta-feira (17). Cientistas da Universidade Harvard e do Southwest Research Institute, ambos nos EUA, simularam em computadores como seria a colisão de uma Terra primitiva com um grande corpo celeste, para analisar a viabilidade da teoria.
       Tanto o estudo de Harvard quanto o do instituto reforçam a ideia do impacto e apontam que a teoria pode estar certa, levando em conta o formato que a Lua tem atualmente e a angulação da Terra.

    FONTE: G1

    quinta-feira, 18 de outubro de 2012

    ABANDONAR ANIMAIS É CRIME!

       Abandonar animais é crime federal. Mesmo que os bichinhos sejam deixados em parques, ainda assim eles podem correr perigo ou se tornarem ameaças à biodiversidade e às pessoas que frequentam o local.   Os animais domésticos possuem hábitos específicos e necessitam de cuidados diferentes dos animais silvestres. Esta é a primeira razão para nunca abandonar quem já foi um bichinho de estimação. Cães e gatos, por exemplo, são totalmente dependentes dos seres humanos, principalmente no que diz respeito à alimentação.
       As duas espécies não estão acostumadas a caçar para comer e precisam de cuidados quanto à água ingerida e ao controle de pragas. Além dos riscos a que os próprios animais estão expostos, eles também podem se tornar transmissores de doenças, levando perigo às outras espécies locais e até mesmo às pessoas. Eles ainda podem ficar agressivos ou se reproduzirem descontroladamente, elevando os riscos.
       Problemas similares estão relacionados ao abandono de espécies silvestres, que quando levadas aos parques inadequadamente representam riscos ao equilíbrio natural. Quando estas práticas são identificadas, não importa se as vítimas sejam os animais domésticos ou silvestres, os infratores são considerados criminosos, por desrespeitarem a Lei Federal de Crimes Ambientais 9605/98.
       A Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo faz um alerta à população. Através de materiais informativos o órgão pede que as pessoas pensem muito bem antes de decidirem cuidar de um animal, pois essa escolha deve ser honrada por toda a vida. Outra sugestão é feita em prol da adoção, para que os animais abandonados possam ter um novo lar. Existem ONGs espalhadas por todo o país, que cuidam destes animais e necessitam de apoio e famílias dispostas a adotar um novo bichinho. O alerta se estende também à responsabilidade que a própria população tem na fiscalização, denunciando os maus tratos a animais.



    Denúncias

    Polícia Militar Ambiental – 190


    FONTE: http://ambientalistasemrede.wordpress.com/2012/08/26/abandonar-animais-e-crime/

    sábado, 13 de outubro de 2012

    Morre o biólogo Keith Campbell, um dos 'pais' da ovelha Dolly

       O biólogo britânico Keith Campbell, um dos "pais" da ovelha Dolly, morreu na sexta-feira passada aos 58 anos, segundo informou nesta quinta-feira (11) um porta-voz da Universidade de Nottingham, no leste da Inglaterra, onde Campbell era doutor.   O especialista em microbiologia foi um dos quatro membros da equipe do Instituto Roslin de Edimburgo, na Escócia, que em fevereiro de 1997 anunciou o nascimento da ovelha Dolly, o primeiro mamífero clonado a partir de células adultas de um exemplar de 6 anos.
       Embora a clonagem de Dolly fosse liderada pelo embriologista inglês Ian Wilmut, mais de 60% da pesquisa são atribuídos a Campbell.

    Imagem de 25 de fevereiro de 1997 mostra a ovelha Dolly aos 7 meses na Escócia (Foto: Paul Clements/AP)

       Em 2008, Wilmut foi condecorado pela rainha Elizabeth II como cavaleiro do Império Britânico por suas contribuições à ciência, embora um ano depois ele tenha admitido que a maior parte da pesquisa foi mérito de Campbell.
       Desde o nascimento de Dolly – que foi sacrificada em fevereiro de 2003, aos 6 anos, por apresentar sinais de envelhecimento precoce e problemas pulmonares, em uma tentativa de evitar um sofrimento maior –, a clonagem animal avançou rapidamente e, até hoje, foi clonada uma grande variedade de mamíferos, como ovelhas, porcos, cabras, cavalos, cachorros e gatos.   Dois anos antes de o mundo conhecer Dolly, Campbell liderou a pesquisa que levou ao nascimento dos bezerros galeses Megan e Morgan, os primeiros mamíferos a serem clonados a partir de células-tronco embrionárias.
       No anos 1980, o biólogo escocês ingressou no Marie Curie Institute, instituição que lhe concedeu uma bolsa de estudos para pesquisar os mecanismos de crescimento e diferenciação celular relacionados ao câncer, pelos quais se mostrou cada vez mais interessado.
       Desde 1999, Campbell, que chegou a somar mais de 30 anos de experiência científica, dava aulas de desenvolvimento animal na universidade de Nottingham, na qual desenvolveu suas pesquisas sobre o processo de clonagem e reprogramação celular.